Em 2016 houve mais de 700 queixas contra polícias

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Em 2016 houve mais de 700 queixas contra polícias

Mensagem por Croco em Sab 21 Jan 2017, 14:16

Em 2016 houve mais de 700 queixas contra polícias

Maioria dos casos é relativa a agressões. Inspecção-Geral da Administração Interna diz que situação é “preocupante” e que está em causa a “violação grave dos direitos dos cidadãos sob custódia policial”. 
ANA DIAS CORDEIRO 
21 de Janeiro de 2017, 7:00  
Em 2016, foram mais de 700 as queixas enviadas por cidadãos contra polícias, de acordo com dados provisórios disponibilizados ao PÚBLICO pela Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI), a entidade que recepciona as queixas e que tutela disciplinarmente a PSP, a GNR e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). A violência física surge no topo das queixas. Mais de um terço destas participações (250) estão relacionadas com situações de ofensas à integridade física.  

Nos últimos cinco anos, as denúncias contra policias têm-se mantido sempre acima das 700 por ano. Em 2012, chegavam às 817 tendo aumentado em 2013 para 830. Diminuiram para as 711 em 2014 e voltaram a aumentar para 717 em 2015 e 730 no ano passado. No leque das denúncias, contam-se ainda casos de abuso de autoridade, ferimentos ou ameaça com arma de fogo, ilegalidades e recebimento de comissões, entre outros. Estes dados não se referem à Polícia Judiciária nem à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica que são tuteladas por outros ministérios. 




Já no relatório de 2015 da IGAI, a inspectora-geral, a juíza Margarida Blasco, classificava de “preocupante” o valor registado por ofensas à integridade física “no universo global das participações”. Os casos analisados pela IGAI envolvem “a violação grave dos direitos dos cidadãos sob custódia policial” e podem resultar na abertura de inquéritos ou de processos disciplinares individuais, confirma Margarida Blasco que está à frente da IGAI desde 2012. Em paralelo, podem correr processos-crime nos tribunais.

“Enquanto me batia, virou o dístico da polícia para eu não ver o nome”



O caso do subcomissário da PSP que agrediu um adepto do Benfica em Abril de 2015 à porta do Estádio de Guimarães “correu todas as fases” de um processo na IGAI, dispensando o processo de averiguações, explica a responsável, que não pode fazer comentários ou dar informações sobre casos concretos.
O episódio foi filmado e as imagens circularam nos sites da comunicação social e nas redes sociais. No fim do inquérito, durante o qual foi aplicada uma suspensão preventiva, a IGAI recomendou que ao oficial, que lidera a esquadra de investigação criminal da PSP de Guimarães, fosse aplicado um processo disciplinar também na forma de uma suspensão de 200 dias.
Depois da suspensão preventiva, o agente retomou funções como subcomissário da PSP de Guimarães. E depois recebeu até um "louvor em nome dos bons serviços prestados no policiamento de recintos desportivos", noticiou recentemente o Correio da Manhã e confirmou o PÚBLICO.
Contactado pelo PÚBLICO, o Ministério da Administração Interna, que tutela a PSP, a GNR e o SEF, polícias às quais se referem estes dados, respondeu que "não faz qualquer comentário sobre a matéria". Apenas esclarece que a pena prevista no âmbito do processo disciplinar pela IGAI está pendente de decisão do tribunal administrativo, onde o agente interpôs uma acção. Ou seja: o caso data de 2015 e a pena proposta no âmbito do processo disciplinar ainda não foi aplicada.
Em paralelo, o agente aguarda a decisão do tribunal judicial depois de ter sido acusado pelo Ministério Público em Maio de 2016 de ofensas à integridade física, falsificação de documentos, denegação de justiça e prevaricação.




"O peso do corporativismo"

A PSP, que conta com cerca de 21 mil agentes e está principalmente presente nos espaços urbanos, surge no topo da lista das denúncias (56%) que chegaram nos últimos cinco anos à IGAI. Já a GNR, que tem cerca de 22 mil militares ao seu serviço nas restantes zonas do país, surge em segundo lugar (34%). As restantes queixas referem-se a outras entidades do MAI. Na lista constam situações de abuso da autoridade, ilegalidades, irregularidades ou comissões, ofensas corporais, queixas de natureza interna ou profissional, práticas discriminatórias ou ameaça e ferimento com armas de fogo, e outros, que envolvem igualmente casos, mas apenas pontuais, no SEF. Os dados incluem ainda casos residuais referentes a empresas de segurança privada.




O número de processos disciplinares é sempre muito inferior ao total das queixas. Em 2015, por exemplo, segundo o relatório anual de actividades da IGAI, houve 21 processos disciplinares e mais de 700 casos inspeccionados. “O peso da instituição é muito grande e o corporativismo permite ocultar casos. Mesmo as situações de queixas dirigidas à IGAI não são propriamente resolvidas”, considera o sociólogo Ricardo Loureiro, activista dos direitos humanos ligado à Associação contra a Exclusão pelo Desenvolvimento. 
Nos processos judiciais, a primeira dificuldade surge, desde logo, na primeira instância, acrescenta o investigador. “O depoimento da polícia tem mais força. A sua versão é criada colectivamente e prevalece sobre a versão do queixoso, mesmo que este apresente exames médicos ou testemunhos” que comprovem a denúncia. A esta dificuldade, acresce outra: a de falta de informação."Não há dados quantificados."
https://www.publico.pt/2017/01/21/sociedade/noticia/em-2016-houve-mais-de-700-queixas-contra-as-policias-1759095
avatar
Croco
Major
Major

Masculino
Idade : 49
Profissão : Militar da GNR
Nº de Mensagens : 7886
Mensagem : "As maiores virtudes do homem são: A honestidade e a humildade"

Meu alistamento : 1991 CIP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Em 2016 houve mais de 700 queixas contra polícias

Mensagem por CARI2013 em Sab 21 Jan 2017, 21:50

Não existe preceito legal a permitir, em termos gerais, que o Ministério Publico patrocine oficiosamente os agentes da Administração, nomeadamente agentes de autoridade, mesmo quando lesados em exercício ou por causa do exercício das suas funções.

http://www.dgsi.pt/pgrp.nsf/0/2297184c7e0c5f4d80256617004171a7?OpenDocument
avatar
CARI2013
Sargento-Mor
Sargento-Mor

Masculino
Idade : 35
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 2860
Mensagem : «Uma das maiores subtilezas da arte militar é nunca levar o inimigo ao desespero.»
(Michel de Montaigne)
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares