Polícias querem apoio psicológico em todos os comandos para prevenir suicídios

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Polícias querem apoio psicológico em todos os comandos para prevenir suicídios

Mensagem por иuησ em Qua 04 Maio 2016, 23:54

Polícias querem apoio psicológico em todos os comandos para prevenir suicídios
ANA DIAS CORDEIRO 03/05/2016 - 20:29

Audição pública sobre os suicídios na PSP e GNR realiza-se esta quarta-feira na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Enquanto presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP-PSP), Paulo Rodrigues lembra-se do conjunto das situações, nos últimos anos, em que agentes da PSP se suicidaram. Mas refere uma em particular, no Porto. Uma colega deixou uma carta com uma mensagem e um pedido: para que ninguém aparecesse no funeral com o uniforme da polícia.

“Para ela escrever essa carta é porque a instituição deixou uma marca muito forte nela.” Negativa? “Não sei dizer.” Admite que a agente não se identificasse com a instituição ou tivesse sido "beliscada" por ela. Porém, acrescenta: “A profissão pode não ser a origem do problema, mas pode agravar o problema. Quando as pessoas têm problemas de ordem pessoal, o facto de ser polícia pode agravar o problema e encurtar o período até ao suicídio. Pode agravar a situação. Pelo que vem a saber-se depois são questões sentimentais ou financeiras."

Numa perspectiva temporal, 2015 foi “o mais dramático” para a PSP com oito suicídios, seguido de 2011 com sete agentes a porem termo à vida. Para a GNR, e também de acordo com os dados oficiais do Ministério da Administração Interna (MAI), 2008 foi o pior ano com 11 suicídios, seguido de 2009 com oito casos, sendo também 2015 um dos piores com sete casos só na GNR. Por isso, tanto para uma como para outra instituição é preciso concretizar as propostas e pôr em prática as conclusões dos vários estudos já feitos.



Difícil separar “a vida pessoal da vida profissional”

Para César Nogueira, será difícil separar “a vida pessoal da vida profissional”. O presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG) vai estar presente na audição conjunta que esta quarta-feira se realiza na Assembleia da República, onde estará também a secretária de Estado adjunta e da Administração Interna, na qualidade de presidente do grupo de trabalho para a revisão do Plano de Prevenção do Suicídio nas Forças de Segurança, Isabel Oneto, e outros representantes sindicais das forças de segurança e também da Polícia Judiciária.

O dirigente sindical não aceita o argumento do Comando Geral da GNR, que recusa uma ligação com a vida profissional. E relativiza o anúncio da ministra da Administração Interna Constança Urbano de Sousa, numa recente entrevista ao PÚBLICO, de que o grupo de trabalho já concluiu os trabalhos que vão permitir avançar com “a criação de uma via verde para os serviços de psiquiatria do Serviço Nacional de Saúde”. E diz: “O que se pretende é que haja um primeiro contacto na própria instituição com psicólogos e psiquiatras. A própria instituição deve ter equipamento e pessoal médico especializado”, o que não acontece, diz.

No país, sem contar com a Madeira e os Açores, existem 20 comandos territoriais da GNR. Mas só em Lisboa, na sede do centro clínico, existe um gabinete de apoio psicológico com três psicólogos. Em três capitais de distrito – Porto, Faro e Évora – existem delegações onde estão técnicos. “Os restantes comandos territoriais não têm nada”, acrescenta César Nogueira.

“É preciso fazer um trabalho de proximidade”, concorda Paulo Rodrigues, dirigente sindical da PSP. Existem 22 comandos da PSP no país, mas a maioria dos 24 psicólogos está em Lisboa. “Era importante que houvesse um psicólogo em cada comando, em coordenação com o Gabinete de Apoio Psicológico central, para ser reconhecido como um elemento entre outros. “Se o psicólogo estiver inserido, [os elementos da PSP] passam a ter mais confiança. Há menos probabilidade de se sentirem rotulados. Estar rotulado significa muitas vezes deixar de ser chamado para actividades operacionais, na rua, e deixar de receber um suplemento de 200 euros do vencimento." E por isso muitos não se sentem motivados a partilhar os seus problemas, conclui.
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/falta-trabalho-de-proximidade-para-prevenir-suicidios-na-psp-e-gnr-dizem-associacoes-1730894
avatar
иuησ
Tenente-Coronel
Tenente-Coronel

Masculino
Idade : 40
Profissão : GNR Cavª
Nº de Mensagens : 14133
Mensagem :
Nuno Miguel Guedes

Coordenador da Região de Lisboa

ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA GUARDA - APG/GNR

Meu alistamento : 2000 - AIP

https://www.apg-gnr.pt/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares